quarta-feira, setembro 13, 2006

Indecisão

Eu não sei o que quero
Na verdade,

Quero tudo e não quero nada
Quero o barulho ensurdecedor de um grito mudo
Quero a solidão em meio à multidão
Quero o calor das frias noites de inverno
Quero a escuridão das tardes ensolaradas

Não sei se lhe quero como penso
Ou se não lhe quero como digo
Assim como nego que te quero
Digo a todos o contrário, pois,

Quero choro sem lágrimas
Quero amor sem dor
Quero saudade sem ausência
Quero a sapiência da inexperiência
Quero o alvorecer de um velho dia

Eu não sei o que quero
Eu não sei...

sexta-feira, setembro 01, 2006

Uma única lágrima
Triste e solitária
Despencou face abaixo
Embalada por um Blues
Contornou a maçã do rosto
E caiu sobre o papel
No papel um poema a ser terminado
Mais um gole na bebida
Em um anseio de inspiração
Penso, tento
É forte o sentimento
Mas não consigo ir adiante
Apago a luz e deixo o Blues ecoar na mente
Fraquejo, não contenho o pranto